Oops, tomei um grande susto. Após trabalhar por pelo menos dois meses em um projeto hoje chega o grande dia. O dia de colocá-lo no ar.

Faltam poucas coisas para ele estar funcionando 100%: enviar um diretório e um arquivo de configuração para o servidor (e uma vez nele configurá-lo).

Tudo começou com meu questionamento de me livrar dos .DS_Store que o Mac gera.

Então eu noto o maldito diretório workspace2, com absolutamente nada. Decido deletá-lo. Preguiça de arrastar & colar para a lixeira me faz ir no terminal e digitar rapidamente algo que muito provavelmente com ajuda da tecla tab o resultado é rm -r ~/workspace, ao invés do rm -r workspace2.

Eu noto que alguns segundos demoram para que ele apague tudo e aí entro em desespero.

Penso: droga, apaguei tudo desde a última vez que fiz backup! Depois (não nessa hora) vejo, foi dia 27 de Julho.

E começo a me auto-enganar pensando: “ok, não perdi tanto assim” (detalhe que meu último backup foi em 27 de Julho).

Depois passo por várias fases como aceitação, etc.

E me sinto estúpido por não ter uma política de backup redundante psicodélica e tudo mais.

Mais estúpido ainda por ter deixado de conectar o computador ao hard-drive (pois é, aqui ainda não tenho SSD, digo: $$D) do backup desde 27 de Junho. Hoje é dia 7 de Julho. Mas ainda bem que não tinha mexido tanto e no que tinha mexido (ainda me auto-enganando, mas só um pouco dessa vez) a maioria era uns 85% recuperável.

Vamos lá. O que se faz quando se comete uma burrada dessa? Você tem total controle do computador, correto? Eu diria que não. Então evitar qualquer gravação imediatamente, ok? Certo. Mete o dedo no botão de desligar. Nada de passar por processos certinhos e tal, a não ser se você souber o que está fazendo muito bem. No Slackware ou mesmo SuSE eu meteria um “shutdown -h now” mais tranquilo do que desligar 'normalmente'. No Mac, não. Não sei como é que o HFS+ (file system da Apple) funciona, tampouco qual o processo de desligamento dele.

Enfim, ao invés disso comecei a pensar... Não deve ter como recuperar a estrutura, droga, isso é uma perda enorme, mas vamos lá...

Eu descubri que tem como se recuperar alguma coisa com o rm aqui, mas não servia para o que eu precisava (no desespero nem ler the fucking manual conseguiria, mais um motivo para desligar o computador).

Enfim, busco no Google por programas para recuperar arquivos.

Eu acho um primeiro vou logo baixando. Outro erro. Tenho um Mac a alguns meses: então é alt ou control para eu poder escolher onde baixar usando a opção 'save as'? Pois bem, aperto a errada e lá vão uns 5.6MB que poderiam estar sendo salvo em cima do que eu queria recuperar sendo baixado no mesmo instante.

No programa eu cometo ainda outro erro.

Aqui só existe uma partição. E eu coloco para ele salvar o que recuperar nela. Confesso que talvez isso não seja um erro porque eu juro que vi duas partições, mas talvez o programa seja burro e não seja nada de partição ali (depois baixei outro programa com uma interface idêntica e que mostrava apenas uma ao invés de duas e é isso que me causa a confusão que não ). Enfim, sei lá. Deveria ter feito com mais calma.

Anyways, decido conectar o HD do Time Machine. Mas antes quero desativar o automatic backup de qualquer jeito para evitar o computador fazer qualquer coisa que possa potencialmente escrever em cima dos meus arquivos deletados.

Ok, desativado. Vou conferir a minha linha do tempo e noto que aparentemente eu nunca fiz backup do meu diretório de usuário porque eu uso o FileVault ¬¬

Não sei disso ao certo, mas rapidamente procurando no Google o Time Machine só faz o backup de conta com FileVault durante o logout e como eu nunca deixei ele nas raras vezes que fiz logout não teria nada ali…

Já estava seriamente pensando em tirar umas férias de pouco menos que uma semana indo para um resort barato qualquer para descansar a cabeça e sair de casa imediatamente para lá (e são 5h da manhã agora, quando pensei nisso eram umas 2h da manhã).

Ah, o primeiro programa (não cheguei a rodar o segundo) identificou alguns arquivos .bz2 (e uso isso para meus backups) com exatamente o mesmo tamanho, pouco mais de 15MB. Vários assim, repetidos, sem mostrar nome ou qualquer outra característica. Logo pensei que poderiam estar corrompidos, etc.

Fui ver o preço do programa: $166 USD. Foi aí que eu pensei em ter muita calma e deixar para ver isso depois de passar um tempo relaxando.

Mas antes de eu comentar isso com meus pais (que eu acordei) dizendo que era importante para eu não ficar pirado (acho que iriam entender) eu vou ao navegador e tento mostrar a minha mãe o que tinha restado do que eu estava fazendo.

Bem, só teria restado screenshots pois nem o site aberto estava mais.

Pois bem, só mostrei uma screenshot do próprio History do Safari e eu tempos depois (ela já tinha ido embora do meu quarto) decido encarar a realidade e ver um '404 Not Found' ao digitar o endereço do site localmente (para desenvolvimento, né). Para isso vou ao Firefox, que não uso, porque eu pensei em recuperar pelo menos em última instância alguma coisa nos arquivos de cache do Safari.

Digito, dou Enter. Demora, mas como diabos? O servidor Apache continua inteiro, oras. Logo deveria receber um Not Found instantâneo. Enfim, depois da tela branca o site carrega. WTF?

Vou direto ao Terminal e digito alguma coisa que não lembro porque por enganei acabei de fechá-lo e o .bash_history parece não funcionar bem quando possui várias instâncias do terminal aberto para me contar o pasasdo ou coisa assim. Enfim, descubro imediatamente/me lembro que eu usava ~/workspace para meus trabalhos no computador antigo! Mas que eu nesse estava usando ~/projects por alguma razão como o Eclipse ter me endoidado alguma vez e eu ter tentado, sem sucesso, resolver!

Enfim, hora de colocar o site no ar e quando for dormir fazer logout para ver se o Time Machine faz o maldito backup que pode me salvar informações valiosas se, por exemplo, tiver o azar de ter o HD danificado.

Além disso decidi que amanhã mesmo vou olhar o preço de uma segunda unidade externa para backup. Uma delas eu deverei deixar na casa de um conhecido ou coisa assim. Enfim, algum lugar fácil de eu acessar e que nem por isso apareça muitas vezes por lá.

Afinal, imagina se minha casa inteira pega fogo enquanto eu estou dormindo (e por acaso sobreviva)? Eu ficarei extremamente feliz se eu tiver backup da minha vida.

Xii, mas acabo de me lembrar que tenho muito mais informação que cabe em um HD de notebook. Então não vou olhar o preço de uma segunda unidade, mas vou ter que buscar uma solução decente tanto para backup quanto para eu ter acesso às informações que hoje estão em outros dois computadores facilmente.

Outra lição: acho que nunca mais vou usar rm -r quando puder fazer o mesmo através de uma interface gráfica ou pelo menos 'mandar para a lixeira antes'. Será que consigo? Estou pensando seriamente até em colocar na minha shell uma regra bloqueando o uso do rm ou coisa assim, pelo menos até eu me educar (uma alternativa mais bonita seria mandar a coisa para a lixeira, o ruim é se me acostumar & esquecer do perigo do comando e errar em outra máquina).

Sempre fui cuidadoso com o rm, mas dessa vez ele me pegou. Felizmente ele veio para mandar eu deixar de ser mané, apenas.

Ah, o que perdi? YUI Compressor com alguns scripts minimizados já copiados. Ou seja, daqui a alguns dias vou ter que baixar ele denovo. Fora isso, está tudo no devido lugar. E acabo de dar um rm -r, digo, de arrastar o diretório workspace2 para o Trash can.

Ah, acabo de ver: faça um alias de rm para rm -i no seu bash profile para ter que confirmar se quer remover. É menos mal. Farei isso depois :)